• O Acordo de Paris e o desmatamento no Brasil

O Acordo de Paris e o desmatamento no Brasil

14 novembro 2016

Entrou em vigor no dia 04 de novembro de 2016 o Acordo de Paris, que visa conter o aquecimento global, com a meta máxima de 2ºC de aumento da temperatura. No entanto, de acordo com o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), ainda que todas as nações cumpram a meta estipulada até 2030, as emissões globais serão superiores aos 42 bilhões de toneladas equivalentes de dióxido de carbono estimadas pelos cientistas, o que indica uma provável falha nas metas globais.

Fato ainda mais agravante é que muitos países não vêm cumprindo o acordado, e o Brasil está incluso. Isto, pois o país assumiu o compromisso de reduzir as emissões em 37% até 2025 e 43% até 2030, mas aumentou as emissões em 3,5% em 2015, de acordo com dados do Observatório do Clima. E esse aumento teve como causa principal o desmatamento, que segundo informações do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), acresceu 25% só na Amazônia. Vale ressaltar que a agropecuária responde por 64% das emissões brasileiras.

Neste sentido, em 09 de novembro de 2016, o ministro do Meio Ambiente, José Sarney Filho, na 123ª Reunião Ordinária do Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA), que preside, afirmou que o desmatamento na Amazônia voltará a cair, e que para 2017 deve-se esperar um período de redução das taxas de desmatamento do bioma Amazônia.

De acordo com o Ministro e a presidente do Ibama, Suely Araújo, as áreas mais críticas da Amazônia terão intensificação da fiscalização e haverá operações do instituto, em parceria com a Polícia Militar Ambiental estadual visando o recuo do desmatamento. Também, segundo o Ministro, o aumento do desmatamento ocorreu devido à crise econômica e à baixa efetividade da fiscalização, que deve mudar a partir de 2017.

Até o final de abril do próximo ano os dados sobre desmatamento estarão disponíveis para todo cidadão, segundo Sarney Filho, e o monitoramento por satélite realizado pelo Inpe estará mais avançado, havendo um controle social do desmatamento.

Fonte: www.mma.gov.br / www.oglobo.globo.com 

 

Mayara Oliveira

Viviene Bauer

Mauro Ambrósio